sexta-feira, 3 de abril de 2009

A Depressão Infantil


A depressão infantil tem suscitado um interesse gradual em muitos profissionais de psicologia clínica e de psicologia do desenvolvimento infantil. Esta patologia, contudo, não é frequentemente reconhecida ou detectada precocemente, uma vez que os sintomas apresentados pelas crianças diferem dos apresentados pelos adultos, constituindo, assim, um obstáculo para a formulação do diagnóstico (Calderaro & Carvalho, 2005).

Um outro entrave para a elaboração do diagnóstico da depressão, segundo Reis e Figueira (2001), prende-se com a dificuldade que as crianças manifestam na nomeação de sintomas que surgem de maneira multifacetada.

Relativamente à etiologia da depressão infantil, vários são os autores que ao longo do tempo se dedicaram à proposta de modelos explicativos para esta patologia.

Winnicott (1971) refere que as fases precoces do desenvolvimento emocional do bebé são sustentadas pelo meio ambiente onde ele se insere. Ao estabelecer um contacto visual com a sua mãe, o bebé projecta-se, à semelhança de um espelho, no rosto dela, sentindo algo como o que é descrito pelo autor: “Quando olho, sou visto; logo, existo. Posso agora permitir-me a olhar e ver” (Winnicott, 1971).
Se o bebé não recebe um feedback do rosto da sua mãe nesse contacto visual, experiencia o sentimento de não receber o que está a dar, i.e., num plano metafórico, o bebé olha-se e não se vê. Diante estas adversidades, os bebés tentam encontrar vias para se confortarem a eles próprios, adoptando, por exemplo, comportamentos de balançar (típicos de depressão infantil e de perturbação do autismo), realizando o processo de desenvolvimento a partir do meio ambiente.

Segundo a perspectiva de Marcelli (1998), a doença psíquica de um dos pais constitui um factor de risco que pode chegar a 43 %. A depressão materna desencadeia, indo ao encontro da posição de Winnicott, uma carência de interacção no bebé, a qual poderá, posteriormente, desenvolver na criança uma susceptibilidade a acontecimentos futuros que comprometem perdas. Nessa linha de pensamento, segundo Solomon (2002), é inevitável a contemplação da vulnerabilidade genética na etiologia da depressão (Calderaro & Carvalho, 2005).

René Spitz, psicanalista americano, dedicou parte da sua vida profissional ao estudo de um tipo específico de comportamentos observados em bebés dos 6 aos 18 meses, inseridos em meios de desenvolvimento desfavoráveis caracterizados pela separação da figura materna: inicia-se, numa primeira fase, um período de choro, depois um período caracterizado por comportamentos de retirada e de indiferença, ao mesmo tempo que se assiste a uma regressão do desenvolvimento, conduzindo até a um estado próximo do marasmo. Spitz chama a esta reacção “depressão anaclítica” atendendo que a criança normal contempla na mãe todo o suporte necessário para promover o seu desenvolvimento, suporte este que lhe falta, inesperadamente, na depressão analítica (Marcelli, 2005). Este tipo de depressão poderá levar, inclusive, à morte do bebé.

John Bowlby, à semelhança de Spitz, contribuiu, com as suas investigações, para o estudo das reacções da criança face a uma separação materna. O autor defende que a fase considerada mais crítica situa-se entre os 5 meses e os 3 anos de idade, observando-se uma sucessão comportamental face à separação: numa primeira instância, o bebé atravessa uma fase de protesto no momento de separação (e.g. com choro, agitação, procura seguir os pais - estas manifestações tendem a atenuar passados dois ou três dias); posteriormente segue-se a fase de desespero (rejeição por parte do bebé em comer, vestir, não solicita nada ao meio que o rodeia, assemelhando-se a um estado de grande luto) e, por último, aparece a fase de desvinculação (não recusa a presença de enfermeiros, aceita os seus cuidados, comida e brinquedos - se nesta fase a criança revê a mãe, poderá não reconhecê-la ou desviar-se dela, sendo que, na maioria das vezes, chora ou grita.) (Marcelli, 2005).

Como demonstrado, a depressão infantil uma problemática que, maioritariamente, passa despercebida aos olhos dos pais ou dos técnicos profissionais, contudo, é imprescindível que os profissionais de saúde estejam atentos a toda esta dinâmica e ao facto das crianças apresentarem, igualmente, problemas de existência podendo levar ao suicídio infantil.

3 comentários:

Rosa Silvestre disse...

Vou levar este link no próximo post. Um artigo excepcional. Parabéns. Abraço, RS.

Mário Duarte disse...

Este assunto é um tanto ou quanto desencaixado da minha área visto que estou a terminar o curso de Engenharia do Ambiente :)

No entanto, e visto que já disse publicamente que eras "sábio", acho que faz bem à mente vir aqui ao teu blog cultivar-me noutras áreas que não a minha.

Quanto mais sei sobre estes assuntos de que falas, mais me preocupo com o que me rodeia...a nossa amiga Carolina também faz questão de me contar algumas coisas que nem sabia existirem...

Custa pensar que em bébés podemos desenvolver estes problemas...às vezes prefiro nem pensar muito nisso, mas o facto de saber destas coisas faz de mim um pouco menos tótó. É bom saber estas coisas mesmo que muitas vezes não queiramos pensar nelas.

Abraço, Mário Duarte

Cristina Jorge disse...

Trabalho muito interessante...;)

http://tratamentodadepressao.org/

Todo o Sucesso... :)